Pai de criança com a mesma doença de Charlie Gard: “Temos sorte de viver nos EUA e não na Inglaterra”

O caso Charlie Gard, o bebê de 11 meses condenado à morte pela Justiça britânica por causa de uma doença incurável, se tornou o campo de batalha entre duas culturas: a Cultura da Vida e a Cultura da Morte. Isto é uma diferença significativa, pois viver no Reino Unido ou nos Estados Unidos pode determinar se uma pessoa irá viver ou morrer.

Art Estopinan, pai de Art Estopinan Jr, um menino portador da mesma doença rara que padece Charlie Gard, declarou ao Daily Mail que “Nos sentimos muito afortunados de sermos norte-americanos e não britânicos – porque se vivêssemos no Reino Unido, Art seguramente estaria morto hoje. Estamos mais do que chocados de que os médicos do Reino Unido estejam dizendo que Charlie deveria ‘morrer com dignidade’. Que insensatez quando existe um tratamento que poderia salvar a vida do Charlie e médicos eminentes nos Estados Unidos que estão dispostos a ajudar.”

Depois de nascer, em 2011, os médicos deram a Art Jr dois meses de vida. Hoje ele tem seis anos e seus pais o descrevem como um menino “forte e feliz”, capaz de mover muitas partes de seu corpo. Art Jr, quando era bebê, só podia mover os olhos.

“Ele tem praticamente a mesma condição genética que Charlie, e luta cada dia graças à terapia pioneira que está sendo negada [a Charlie]”, declarou o pai.

Chuck Mohan, pai de outra criança que nasceu com a mesma enfermidade que Gard e que veio a falecer aos 15 anos, também se manifestou sobre o caso. Ele é um firme defensor de que Charlie Gard deve viajar para os Estados Unidos.

“O amor desses pais por seu filho certamente deveria substituir a lei que os impede de conseguirem buscar esse raio de esperança para seu filho”, afirmou Mohan no programa Good Morning Britain.

“Penso que devemos confiar no desejo dos pais e na esperança dos pais para criar a criança para o potencial que ela tem.”

E acrescentou: “deveríamos fazer tudo que podemos para que eles exerçam os seus direitos como mãe e pai desta criança… e preencher essa lacuna que agora está causando à eles tanto estresse e muito esforço.”

 

Com informações: Daily Mail, Life Site News, Actuall e Good Morning Britain.

 

Veja também:

– EUA diz às Nações Unidas: Aborto não é “planejamento familiar”

– Sou pró-vida, como posso ajudar?

– Os médicos aconselharam seus pais a abortá-la. Hoje ela é atleta, quebra recordes e foi coroada Miss!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s