Mãe recusa quimioterapia para que seu bebê possa viver

Quando Stacie Crimm recebeu a notícia de que estava grávida, ela não acreditou. Tudo era surpresa para ela. Médicos lhe haviam dito que ela não poderia engravidar e, aos 41 anos, uma gravidez realmente parecia improvável. Mas cinco teste de gravidez positivos mostraram que os médicos estavam errados.

Stacie Crimm

Durante a gravidez, Stacie notou que algo estava errado. Fortíssimas dores-de-cabeça e visão dupla indicavam algo grave. Ela foi encorajada por seus familiares a procurar médicos que pudessem diagnosticar o que havia de errado com ela.

Infelizmente, o diagnóstico foi devastador: câncer na cabeça e no pescoço. Stacie agora tinha que decidir entre a quimioterapia e a vida de seu bebê. O irmão de Stacie, Ray Phillips, conta que a decisão não foi fácil e que ela demorou uma semana neste dilema. Ao final, a admirável mãe escolheu adiar o tratamento, esperando que em breve pudesse segurar em seus braços sua filhinha.

O câncer de Stacie era de um tipo altamente agressivo e um dia ela caiu em sua casa e foi levada às pressas para um hospital da Cidade de Oklahoma. Ela jamais retornaria à sua casa. Seu estado piorou e, após uma parada cardíaca, a equipe médica decidiu fazer uma cesariana e a pequena Dottie Mae Crimm nasceu prematuramente, em 18 de agosto passado.

Enquanto Dottie Mae foi encaminhada a uma unidade de tratamento intensivo neonatal, sua mãe foi para uma UTI em um prédio diferente. A luta de Stacie por sua vida durava já vários dias sem que ela pudesse sequer ver a filhinha pela qual fez tamanho sacrifício. Ciente disto, uma enfermeira de nome Agi Beo, não pôde suportar a idéia de que a corajosa mãe deixasse esta vida sem poder segurar sua filhinha.

Dottie Mae Crimm

A determinada enfermeira então tratou de arrumar uma maneira para que Stacie e Dottie Mae pudessem passar alguns momentos novamente juntas. A família, a equipe médica e a equipe de transporte neonatal foram envolvidos, pois a operação de levar a bebezinha para junto de sua mãe não era de fácil execução, pois tudo deveria ser feito sem qualquer risco para a pequenina.

Em um dos poucos momentos de lucidez de Stacie — o agressivo câncer ia já em seu estágio final –, seu irmão lhe perguntou o que ela acharia sobre a possibilidade de poder ver sua filha. Os olhos de Stacie abriram ao máximo e ela esticou os braços como que perguntando onde estava sua bebê (em virtude do câncer, ela já nem mais podia falar direito).

Minutos depois, a equipe médica trouxe Dottie Mae e a colocou no peito de sua mãe. Stacie sorriu para sua filha, que finalmente estava em seu braços. Ninguém disse uma palavra; todos tinham os olhos marejados.

Stacie faleceu três dias depois. Dottie Mae já deixou a unidade de tratamento neonatal e está vivendo com seu tio Ray Phillips, como era a vontade de sua mãe.

Stacie Crimm junta-se à galeria de outras mães heroínas, como a brasileira Edivaine Cristina e a inglesa Lorraine Allard, que foram capazes de colocar o bem-estar de seus filhos não-nascidos em primeiro lugar.

Em um tempo em que pais são capazes de abandonar filhos recém-nascidos portadores de doenças graves, um testemunho como o destas mães é mais eloqüente ainda.

Stacie, Edivaine e Lorraine, como tantas outras, souberam dar ao Senhor Deus o que pertence a Ele, e mostraram a todos nós o que é o verdadeiro amor de mãe.

Dottie Mae e seu tio Ray Phillips com a esposa

—- 

Fonte: Oklahoma cancer patient trades her life so her baby could survive

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s