O casal que lutou por seu filho quando o médico queria matá-lo

Logo quando seu filho Aidan veio à luz, Jodi Peterson e seu marido Quentin sabiam que havia algo errado com ele. Ao invés de colocarem o recém-nascido Aidan junto de sua mãe, os médicos o tiraram de sua vista e sussuravam entre si. O problema do pequenino Aidan? Este: fissura bilateral dos lábios e do palato.

É evidente, assim como é natural, que os pais ficaram surpresos com a condição de seu filho, que nos primeiros dias após o nascimento teve ainda que enfrentar uma desidratação porque não conseguia ser amamentado no peito e o hospital não tinha as mamadeiras especiais para alimentar bebês com sua condição.

Mas mesmo a maior surpresa que pudessem ter tido com a condição de seu filho poderia superar a que tiveram quando o pediatra do hospital lhes chamou para uma conversa, o que pode ser lido abaixo nas palavras da própria Jodi:

“O pediatra do hospital chamou meu marido para a enfermaria e nos aconselhou a deixarmos a responsabilidade de nosso filho com o hospital. Ele nos disse que ainda éramos bem jovens, que poderíamos ter outros filhos e que tais crianças (crianças com a condição de Aidan) têm a tendência a ter problemas neurológicos; ele necessitaria de inúmeras cirurgias, o que nos levaria à falência, e que se nós fôssemos tolos ao ignorar seu conselho médico e levar nosso bebê para casa ele acabaria retornando devido a algum problema de desenvolvimento.

O “tratamento” que o médico se dispunha a dar a nosso filho era dar remédios para a dor e deixá-lo morrer (de fome e desidratação). Jodi começou a chorar e recusou o conselho do médico, ao que o médico virou-se para Quentin e disse-lhe: “Tire-a daqui, pois ela está sendo irracional”. Ele pensava que teria uma chance maior de convencer Quentin a abandonar seu bebê.

Ele estava errado. Quentin também recusou-se a assinar os papéis que dariam ao hospital a responsabilidade sob seu filho. Nós não tínhamos planejado nada ainda e nem sabíamos onde procurar ajuda, mas nós não podíamos sequer imaginar abandonar nosso filho e deixá-lo sozinho para uma morte certa. Foi a graça de Deus que nos deu coragem para escolher a vida quando a autoridade médica daquele hospital nos dizia para fazermos o contrário do que estávamos fazendo. E isto foi para ambos a época mais assustadora de nossas vidas.”

Como a Providência Divina nunca falha aos que em Deus esperam, Jodi e Quentin conseguiram contato com um grupo de apoio a pessoas com a condição de Aidan e que lhes forneceu a mamadeira necessária para finalmente poderem alimentá-lo e levá-lo para casa.

Atualmente, Aidan já está com 15 anos e passou por 8 cirurgias para corrigir seu problema. Ele está no colegial e seu desempenho é normal para um garoto de sua idade. Aidan tem dois irmãos, um menino de 13 anos, Devin, e uma menina de 10, Kiera. Os Petersons são uma família normal e muito feliz, cujas dificuldades serviram para uní-los cada vez mais.

E é o próprio Aidan que manda um recado aos que têm a mentalidade daquele médico que queria condená-lo a uma lenta e cruel morte por fome e sede apenas porque ele não se encaixava em algum padrão de perfeição:

“Ponha-se no lugar daquela criança. Se você tivesse um dia para viver, o que seria melhor: passar aquele dia com seus pais amorosos ou morrer de fome enquanto médicos indiferentes passam por você, não se importando com a sua situação? Responda a esta pergunta e só então decida sobre a vida de seu filho”

img_1438.jpg

Fonte: Doctor insists parents choose starvation and slow death for baby born with cleft lip

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s